Você está em: Home > Artigos > O Apagão de Talentos no Brasil

Imprimir página - Versão para Impresão

Artigos

O Apagão de Talentos no Brasil

Florianópolis, 15 de julho de 2008.

Como enfrentar o apagão de talentos nas empresas e no Brasil?

Há realmente um apagão de talentos?

Este foi o tema de um painel muito rico e elucidativo no E-learning Brasil 2008 com a participação de Milton Matsumoto, diretor executivo do Bradesco e Carlos Faccina, chanceler do Business School de São Paulo, realizado em 25 e 26 de junho no WTC em São Paulo.

Uma grande parte dos 400 participantes achou que havia e isso é um gargalo ao processo de desenvolvimento organizacional das empresas e do país.

Outra parte, na qual me incluo, e foi assunto muito bem clareado pelos apresentadores e enriquecido pelos debates é que não há apagão de talentos.

Eles estão aí e querendo ser inseridos no contexto das escolas, das empresas e do País.
Existem talentos e com muitas aptidões e vontade de atuar, mas que não estão capacitados, pois as escolas não ensinam e as empresas não treinam.

As empresas que investem e valorizam seus talentos estão indo muito bem. Bradesco, Nestlé, Gafisa, Alcoa são alguns exemplos.

As empresas, que ainda pensam que ao se investir e formar um bom profissional é perdê-lo para o mercado, ficarão no meio do caminho.

Existe sim, ausência de professores interativos e participativos e de gerentes líderes e treinadores.

Neste mesmo evento a professora Paula Waal mostrou que o meio acadêmico abrigou o conceito científico e não o pensamento científico.

“Por isto o jovem não acredita no que se ensina, não se sente parte e vive a incerteza social.”

“O jovem quer a relação social, quer se inserir no contexto da escola, da empresa, da comunidade.”

Há abundância hoje de informações, de versões, de visões, de sentidos e de significados.
Precisamos aprender e desenvolver a competência de escolher.

Além do conteúdo há que ter estímulo e prática.

A Wikipédia é um processo novo, coletivo, democrático, participativo e criativo de se fazer uma nova enciclopédia, uma nova visão da vida.

É um novo sentir estratégico.

Paula Waal, professora brasileira radicada na Itália e lecionando na Inglaterra descreveu com maestria o Professor do Futuro, e eu acho que isto vale para o gerente, o diretor, o supervisor e por que não o pai de família.

Este será o multiplicador e agente de mudanças de uma nova geração de profissionais excelentes.

Vejam a maneira de ser do professor do futuro:

 

Lifelong learner.

É um aprendiz permanente.

Community enabler.

É um colaborador que está à disposição.

Information literacy guru.

Está capacitado no que faz. É uma referência.

Media literacy guru.

Compartilha e publica seus conhecimentos.

Life skills adept

É um profissional que se adapta aos diversos ambientes

Digital survivor

Sobrevive na Era Digital.

Team worker

Trabalha em equipe.

Você está preparado para o futuro?

Um abraço e boa reflexão.


Geraldo Leal de Moraes

Consultor de Estratégia Empresarial e Educação Corporativo

Copyright© 1973-2011 mcaconsult.com.br - Todos os direitos reservados.

MCA Consult - Telefones: São Paulo: +55 (11) 3881-4659 / Santa Catarina: +55 (048) 3207-8950, +55 (48) 9621-7564

Topo